Pular para o conteúdo principal

(III / V) Bradley - Conferência I "A substância da tragédia shakespeariana"

BRADLEY, A. C. A Tragédia Shakesperiana. Trad. Alexandre Feitosa Rosas. São Paulo: Martins Fontes, 2009, p. 3-27. Conferência I – A substância da tragédia shakespeariana.

(3)

Sobre o herói trágico:

Características em comum no herói trágico shakespeariano:

São “homens de alta posição” ou de importância pública, cujos atos e sofrimentos são de natureza extraordinária. Possuem natureza excepcional, elevando-se acima da média humana. Isto não seria o mesmo que excentricidade ou modelo de perfeição, embora estas características possam existir de modo secundário no caráter da personagem principal. São feitos da mesma matéria que as pessoas normais, porém apresentam de forma intensificada qualquer desejo ou paixão, conferindo-lhes uma força excepcional.

Os heróis shakespearianos são marcados pela parcialidade, têm tendência a seguir determinada direção específica. Um traço trágico fundamental: identificam-se inteiramente com seu único interesse, que junto às outras características faz-se perceber o pleno poder da alma humana e do conflito nela.

Comparação do personagem trágico com os personagens de outros gêneros: percebe-se, por exemplo, que o personagem no drama comum não se atinge as mesmas elevações do personagem trágico (p. 14/15).

O erro do herói:

Juntamente com outros fatores, o erro do herói é a causa de sua ruína. Ocorre por ação ou omissão, causado pela própria grandeza da personagem. A imperfeição ou o erro fatal está sempre presente em Shakespeare. Na maioria dos casos o erro não se dá por uma violação consciente de virtude, e em outros especificamente pela completa convicção de virtude (por exemplo, Bruto e Otelo). Poder-se-ia apontar duas exceções: Ricardo e Macbeth, ambos fazem o que eles próprios entendem como baixo e vil, e é importante ressaltar que Shakespeare admite este tipo de herói[1].

No caso destes heróis ainda se pode perceber, porém, grandeza que renda admiração. Ricardo teria um poder que suscita assombro e uma coragem que causa admiração. Macbeth possui grandeza similar, acrescida de uma consciência aterradora e confrangedora em suas advertências e condenações que revelam de forma intensa o seu tormento interno. São capazes de despertar compaixão, ainda que despertem um desejo pela sua derrota (p. 16):

O herói trágico de Shakespeare, portanto, não tem de ser “bom”, apesar de em geral ser “bom” e, portanto, inspirar imediata compaixão quando em erro. Mas é necessário que demonstre tanta grandeza que em seu erro e queda possamos ter viva consciência das possibilidades da natureza humana.

O trágico de Shakespeare não se apresenta como deprimente. Nas tragédias não se percebe o homem como fraco, vil e pequeno. Pode-se perceber a grandeza do herói trágico, e por vezes presente em certa medida noutras personagens, permite o “cerne da impressão trágica”, que seria (p. 16):

Esse sentimento central é a sensação de desperdício. Em Shakespeare, sob qualquer ângulo que se olhe, a piedade e o terror suscitados pelo enredo trágico parecem ora se unir a uma profunda sensação de tristeza e mistério, ora fundir-se nessa sensação, que se deve ao sentimento de desperdício.

O sentimento de desperdício despertado pela tragédia permite perceber a grandeza humana, capaz de destruir a si mesma. O fenômeno trágico apresentaria então o mistério do próprio mundo humano, para além dos limites da tragédia. Na verdade, a tragédia seria a forma típica deste mistério ao apresentar a grandeza da alma oprimida do herói, em conflito e massacrada, pelos próprios atos humanos. É da existência humana que toda a sua grandeza, representada pelo herói, leve-a ao seu final trágico.

A tragédia, portanto, carrega o mistério da dicotomia da mais alta beleza do homem, à sua forma mais horrenda. E assim, faz perceber intensamente o valor daquilo que se está sendo desperdiçando.



[1] Importante também ressaltar, conforme nota do próprio autor, que esta não seria a mesma identificação do herói trágico trazida por Aristóteles e pela tradição dramática grega.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A DUPLA MOTIVAÇÃO ENTRE ÁGAMÊMNON E ZEUS NO SACRIFÍCIO DE IFIGÊNIA

Segue abaixo o meu ensaio produzido para a matéria, Mito e Engano: a Ate na Ilíada, acompanhada na pós-graduação de Letras Clássicas, na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP.
INTRODUÇÃO
No presente trabalho pretendemos analisar com brevidade o fenômeno da dupla motivação presente nas ações de Agamêmnon na tragédia de mesmo nome, primeira da trilogia da Orestéia, de Ésquilo. A passagem referente ao presságio das águias e da profecia reveladora de Calcas, em conjunto com os contornos do sacrifício de Ifigênia, tal como apresentados por Ésquilo, servirão de fundo para o estudo deste fenômeno construído na tensão entre determinação divina e autonomia das ações humanas. Agamêmnon, general do exército e sob o titulo do rei dos reis, reúne os gregos para a guerra contra Tróia. Está sob o juramento de seu cetro e deve seguir com a Justiça de Zeus pela vingança contra Páris e todo o povo de Príamo. Contudo se encontra incapaz de prosseguir, preso no porto de Áulida. Ártemis o …

Ética do Discurso - Um complemento ao discurso moral em Habermas

HABERMAS, Jürgen. A Inclusão do Outro: estudos de teoria política. Trad. Jeorge Sperber e outros. São Paulo: Loyola, 2ª ed., 2002. Parte I, Capítulo I – Uma visão genealógica do teor cognitivo da moral. Resumo: Esta resenha restringe-se ao primeiro tópico abordado na primeira parte da “Inclusão do Outro”, de Habermas. Nela exponho aquilo que se compreende como manifestações e mandamentos morais e, em parte, o discurso moral. Também apresento algumas diferenças entre teorias cognitivistas e não cognitivistas, em acordo com a construção teórica do autor. Esta postagem foi motivada como forma de complementação parcial das explicações apresentadas pelo prof. André Coelho, em sue blog Filósofo Grego, na postagem introdutória a respeito da Ética do Discurso de Jürgen Habermas. É possível que eu dê continuidade a esta temática a partir de outras postagens contendo a continuação desta resenha. [ Tópico I ] Manifestações morais têm, quando justificadas, um teor cognitivo, e para esclarecer q…

Contextualização da Orestéia: Sobre a Guerra de Tróia, o Sacrifício de Ifigênia e a Maldição de Cassandra

Concentrar-nos-emos, aqui, em desenvolver um breve relado do corpo mítico e épico que embasa tanto a produção da Orestéia de Ésquilo, quanto o pano de fundo compartilhado por seus contemporâneos e pela sua audiência. Para esta produção, nos concentraremos – dentre as diversas narrativas míticas que embasam a obra de Ésquilo – naquelas a respeito da Guerra de Tróia, juntamente com o Sacrifício de Ifigênia e a Maldição de Cassandra. Ainda sim será um relato breve e tendo em vista as circunstâncias míticas que têm influência mais direta na peça. Esta escolha tem em vista a essencialidade da matéria para a compreensão da primeira peça da trilogia, Agamêmnon.

Na introdução, falar-se-á resumidamente da influência do mito e do épico no desenvolvimento do enredo da tragédia ática. Em seguida veremos versões míticas da (1) Guerra de Tróia; do (2) Sacrifício de Ifigênia; e da (3) Maldição de Cassandra e algumas passagens correspondentes da Orestéia.
A tradição dramática na ática tratava os contos…