Pular para o conteúdo principal

(I / V) Bradley - Conferência I "A substância da tragédia shakespeariana"

BRADLEY, A. C. A Tragédia Shakesperiana. Trad. Alexandre Feitosa Rosas. São Paulo: Martins Fontes, 2009, p. 3-27. Conferência I – A substância da tragédia shakespeariana.

Questionamento principal: qual a substância da tragédia shakespeariana; qual a natureza do aspecto trágico da vida tal como representado por Shakespeare; ou ainda qual a concepção trágica de Shakespeare?

Com relação ao questionamento principal da conferência, não se pressupõe que Shakespeare tenha formulado ou respondido propositalmente a estas questões. Tampouco que a representação trágica em Shakespeare corresponda à totalidade da representação da vida humana, mas sim de um aspecto dela, sob um determinado foco. Assim, cada obra constitui um universo específico correspondente a uma noção de vida humana, que juntas constituem uma totalidade da visão shakespeariana.

Seguem-se dois pontos que destacam elementos particulares e compartilhados na maioria dos dramas trágicos de Shakespeare:

(1)

Propõe-se a construção da idéia da tragédia shakespeariana a partir da apreciação dos fatos que contém as obras. O primeiro deles é a personagem do herói trágico, sobre o qual trata o enredo. Apesar de a peça conter, muitas vezes, diversos personagens, o enredo trágico gira em torno do herói, ou no máximo, do herói e da heroína como se apresentam nas tragédias de romances.

Exemplo: Romeu e Julieta, e Antônio e Cleópatra.

O sofrimento e a morte do Herói:

É, da mesma maneira, considerada como elemento essencial para a classificação de uma obra trágica de Shakespeare a morte do herói após uma seqüência de acontecimentos tumultuosos, excluindo-se então Troilo e Cressilda, e Cimbelino.

Sofrimentos e calamidades excepcionais que recaem sobre a imagem do herói contrastam com sua vida gloriosa anterior. E geralmente os infortúnios que afligem o herói trágico se estendem para além dele[1]. Este sofrimento é a principal fonte de compaixão, dentre os elementos capazes de gerar os fortes sentimentos da audiência. É possível perceber uma variação de intensidade do sentimento e a quem se dirige a compaixão causada pelo sofrimento. Em Rei Lear a compaixão é direcionada para o herói, já em Macbeth é mais direcionada às personagens secundárias.

A Fortuna:

O fenômeno trágico em Shakespeare apresenta-se por um enredo embasado na total inversão da sorte dos homens de “alta estirpe” (ing. “men of high state”, ou “homens de alta posição”), aparentemente feliz e seguro. A queda de um homem de alta posição aumenta a sensação de contraste entre sua glória passada e sua miserabilidade posterior. Sua vulnerabilidade perante a Fortuna causa temor. Esta é a forma do fenômeno trágico do espírito medieval, que a tragédia shakespeariana inclui em certa medida: a total inversão da sorte de um homem de alta posição, sem qualquer aviso, com apelo de compaixão e comiseração humanas à audiência causando-lhes, ao mesmo tempo, assombro e medo. Faz sentir o homem como indefeso, cego e suscetível em relação a qualquer poder inescrutável. Revela a fragilidade humana diante da impotência e do capricho do destino e da fortuna (p. 6).

Homens de poder:

O herói trágico é representado por uma personagem de alta posição, importante e em alguma medida poderoso, como em Ricardo II, Rei Lear ou mesmo Otelo, General da República. Suas ações e infortúnios geram influência não apenas sobre si e seu destino, mas sobre o destino de todos aqueles que são próximos ou lhe estão subordinados, seja dentro de uma família, um país ou um império[2].



[1] Isto, como se verá mais adiante, porque o herói será alguém de grande importância e influência sobre determinado grupo de pessoas, seja uma família, um país ou um império, e seu destino trágico é compartilhado por todos os demais.

[2] Minha compreensão da tragédia shakespeariana a partir da leitura de Bradley e minha própria concepção: Em certa medida, a representação do herói como autoridade ou possuidor de influência pública – cuja vida está ligada ao destino de muitos – relaciona os eventos trágicos a toda uma comunidade humana. Da mesma forma, a queda de um homem poderoso dentre os homens, por ser incapaz perante os desígnios da Fortuna, representaria a fragilidade e impotência da humanidade em geral.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A DUPLA MOTIVAÇÃO ENTRE ÁGAMÊMNON E ZEUS NO SACRIFÍCIO DE IFIGÊNIA

Segue abaixo o meu ensaio produzido para a matéria, Mito e Engano: a Ate na Ilíada, acompanhada na pós-graduação de Letras Clássicas, na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP.
INTRODUÇÃO
No presente trabalho pretendemos analisar com brevidade o fenômeno da dupla motivação presente nas ações de Agamêmnon na tragédia de mesmo nome, primeira da trilogia da Orestéia, de Ésquilo. A passagem referente ao presságio das águias e da profecia reveladora de Calcas, em conjunto com os contornos do sacrifício de Ifigênia, tal como apresentados por Ésquilo, servirão de fundo para o estudo deste fenômeno construído na tensão entre determinação divina e autonomia das ações humanas. Agamêmnon, general do exército e sob o titulo do rei dos reis, reúne os gregos para a guerra contra Tróia. Está sob o juramento de seu cetro e deve seguir com a Justiça de Zeus pela vingança contra Páris e todo o povo de Príamo. Contudo se encontra incapaz de prosseguir, preso no porto de Áulida. Ártemis o …

Ética do Discurso - Um complemento ao discurso moral em Habermas

HABERMAS, Jürgen. A Inclusão do Outro: estudos de teoria política. Trad. Jeorge Sperber e outros. São Paulo: Loyola, 2ª ed., 2002. Parte I, Capítulo I – Uma visão genealógica do teor cognitivo da moral. Resumo: Esta resenha restringe-se ao primeiro tópico abordado na primeira parte da “Inclusão do Outro”, de Habermas. Nela exponho aquilo que se compreende como manifestações e mandamentos morais e, em parte, o discurso moral. Também apresento algumas diferenças entre teorias cognitivistas e não cognitivistas, em acordo com a construção teórica do autor. Esta postagem foi motivada como forma de complementação parcial das explicações apresentadas pelo prof. André Coelho, em sue blog Filósofo Grego, na postagem introdutória a respeito da Ética do Discurso de Jürgen Habermas. É possível que eu dê continuidade a esta temática a partir de outras postagens contendo a continuação desta resenha. [ Tópico I ] Manifestações morais têm, quando justificadas, um teor cognitivo, e para esclarecer q…

Resumo recusado pela diretoria da ANPOF para participção no XIV Encontro Nacional de Filosofia

A relação entre justiça e vingança no enredo trágico pré-moderno e moderno: uma contribuição à teoria moral de Jürgen Habermas.

O trabalho pretende extrair duas diferentes concepções de justiça a partir das particularidades entre contextos éticos distintos, pré-moderno e moderno. A respeito disso, Habermas explica que: no mundo pré-moderno é possível interligar as diferentes ordens sociais a partir de um ethos comum, que permite a padronização de valores e instituições as quais recobrem os motivos e orientações da ação, por um lado, e interligam as normas políticas e de conduta, por outro; já no mundo moderno, pela racionalização do mundo da vida, ocorre o aumento do uso da racionalidade prática e cresce a reflexão a respeito da própria ordem e orientação ética tradicional, gerando as idéias distintas de auto-realização e autodeterminação as quais correspondem à diferenciação de questões éticas e questões morais. Para exemplificar as diferentes concepções de justiça, tratar-se-á do sen…