Por Melpôneme e Clio.
Suas artes carregam inspiração que transcende a realidade e o tempo, mais uma vez trazendo vida à excelência humana.

quinta-feira, 18 de março de 2010

Resumo recusado pela diretoria da ANPOF para participção no XIV Encontro Nacional de Filosofia


A relação entre justiça e vingança no enredo trágico pré-moderno e moderno: uma contribuição à teoria moral de Jürgen Habermas.



O trabalho pretende extrair duas diferentes concepções de justiça a partir das particularidades entre contextos éticos distintos, pré-moderno e moderno. A respeito disso, Habermas explica que: no mundo pré-moderno é possível interligar as diferentes ordens sociais a partir de um ethos comum, que permite a padronização de valores e instituições as quais recobrem os motivos e orientações da ação, por um lado, e interligam as normas políticas e de conduta, por outro; já no mundo moderno, pela racionalização do mundo da vida, ocorre o aumento do uso da racionalidade prática e cresce a reflexão a respeito da própria ordem e orientação ética tradicional, gerando as idéias distintas de auto-realização e autodeterminação as quais correspondem à diferenciação de questões éticas e questões morais. Para exemplificar as diferentes concepções de justiça, tratar-se-á do sentido de vingança nas tragédias Orestéia, de Ésquilo, e Hamlet, de Shakespeare. Em ambas o assassinato demanda um dever de vingança, porém a Orestéia narra o sentido de justiça a partir do conflito entre destino e salvação em um embate de ordens e leis divinas distintas, enquanto Hamlet reflete a busca do sentido de justiça a partir do conflito entre destino e livre arbítrio, em meio aos questionamentos da ordem estabelecida pelo costume e da tradição. Para tanto, introduz um debate sobre a possibilidade de se atribuir à narrativa literária características próprias do período histórico de sua formulação; em seguida, passa à diferenciação teórica da ética e da moral nos períodos pré-moderno e moderno a partir da teoria moral de Habermas, correlacionada com a caracterização dos conflitos de justiça e vingança no breve relato dos enredos da Orestéia e de Hamlet. Dessa forma, o presente trabalho pretende concluir que a relação entre justiça e vingança no período pré-moderno (na Atenas do século V a.C.) advém da necessidade de coerência com uma ordem cósmica que permite o ethos abrangente compartilhado; e no período moderno (na Inglaterra elisabetana) aparece na contraposição de deveres éticos e deveres morais.